O refugiado afegão Kazem Ahmadi, 27, desembarcou no Brasil no último domingo para uma série de eventos por ocasião do Dia Mundial do Refugiado, celebrado pelas Nações Unidas no dia 20 de junho. Após um longo processo de regularização de sua situação como refugiado na Grécia, Kazem tirou seu visto brasileiro, um sonho antigo adiado em função da pandemia do coronavírus.

Em seu primeiro dia no Brasil, Ahmadi saiu para conhecer a capital paulista e aproveitou para visitar um restaurante nordestino, onde aceitou o desafio de experimentar acarajé, comida típica da Bahia. A refeição é um bolinho feito de feijão-fradinho, frito no azeite de dendê, recheado com vatapá, vinagrete e camarão seco com pele. Animado, o afegão experimentou o petisco e aprovou. “É fantástico! Incrível”, disse após comer todo o acarajé.

Nos próximos dias, o jovem Ahmadi vai passar por Belo Horizonte, Ipatinga, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto e Araraquara e região. Acompanhe a viagem de Kazem pelo Brasil pelas redes sociais do Planeta de TODOS.

Kazem é nascido e criado no Afeganistão. Para fugir do local, que hoje está sob o comando do Talebã, ele tentou ir para o Irã, onde os afegãos não têm qualquer tipo de documentação e acesso ao setor público de saúde, por exemplo. Em 2019, foi para Atenas e depois de semanas vivendo pelas ruas e sem acolhimento oficial do governo grego, chegou ao projeto Planeta de TODOS, que forneceu moradia e as ferramentas necessárias para a integração sócio laboral.

Após quase um ano no projeto social, Kazem é hoje um mediador cultural e ajuda vítimas de violência de gênero trabalhando como intérprete na Diotima, Organização Não Governamental (ONG) da Grécia. O jovem fala inglês e também domina o grego.